Sustentabilidade

Porque é que a nossa frota é importante

A pesca e captura do bacalhau é desde há séculos vital para a vida, trabalho e desenvolvimento ao longo da costa da Noruega. O nosso objetivo foi sempre criar uma frota pesqueira moderna e invejável que nos permita pescar de forma sustentável.

Read more

A nossa frota é extensa, tanto em termos de tamanho como das artes de pesca utilizadas. Com navios para o alto mar e um grande número de pequenos barcos costeiros, conseguimos capturar uma grande variedade de peixe e marisco, incluindo o bacalhau.

Fishing village
6309 embarcações

Há 6309 embarcações de diferentes tamanhos, todas elegíveis para pescar em águas norueguesas.

Man preparing for filleting
9924 pessoas

Quase 10 000 pessoas têm trabalho direto e a tempo inteiro na indústria norueguesa.

Two men working on a fishing boat
2365 pessoas

têm trabalhos em part-time na indústria.

A frota pesqueira

Click on the numbers to see information
  • 1 Rede de cerco

    A rede de cerco é uma parede de rede que o barco deixa cair à volta do cardume. O fundo fecha-se e o cardume capturado é levado para bordo.

    Artes de pesca ativa

     o equipamento tem de se aproximar do peixe para o capturar. À exceção da rede de cerco dinamarquesa, os pescadores que querem utilizar artes de pesca ativa têm de obter concessões especiais. Assim, esta arte é ilegal na pesca desportiva.

As nossas pescarias utilizam diversos métodos de captura, das traineiras à linha manual. Mais uma vez, a chave é a sustentabilidade.

Caracteristicamente, a captura anual de bacalhau da Noruega é feita principalmente com redes de arrasto e redes de emalhar.

Planos para o futuro

As quotas estabelecidas são recomendadas pelo Conselho Internacional de Exploração Marítima, uma instituição de investigação internacional que avalia as nossas reservas e nos ajuda a planear o futuro. Permite-nos pescar de forma sustentável, assegurando o futuro das nossas prósperas reservas de bacalhau.

Incentivos à sustentabilidade

As organizações de vendas auto-regulam-se para manter condições justas mas competitivas no mercado. Acima de tudo, garantem aos pescadores um preço mínimo para a captura.

A pesca sustentável é recompensada, sendo pagas bonificações pela apresentação de peixe bem tratado de alta qualidade.

Uma vez que as quotas são indispensáveis à sustentabilidade da indústria do peixe e marisco, os pescadores que excedem as respetivas quotas são penalizados. Recebem apenas 20% do valor do peixe que ultrapassa a quota.

No entanto, como temos uma política de zero desperdício, todo o peixe recolhido é vendido no mercado. Os lucros excedentes (após o pescador receber os 20%) são investidos no controlo das pescas.

Este regulamento assegura que não há incentivos para os pescadores que excedem as quotas.